Exames de sangue auxiliam no diagnóstico precoce dos distúrbios na tireoide

O hipotireoidismo e o hipertiroidismo afetam 15% dos brasileiros acima de 45 anos. Em todo o mundo, a próxima sexta-feira (25) será dedicada ao Dia Internacional da Tireoide. E os números nacionais sobre casos de disfunções dessa glândula preocupam: de acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia, 15% dos brasileiros acima de 45 anos sofrem com algum distúrbio da tireoide. No entanto, crianças, jovens e idosos também estão suscetíveis a esse mal. Os distúrbios da tireoide são doenças genéticas, hereditárias e que não podem ser prevenidas, por isso, o ideal é observar e realizar exames de sangue regularmente para tentar descobrir o problema ainda no começo.

Com cerca de cinco centímetros de diâmetro, a tireoide, uma pequena glândula localizada no pescoço, produz hormônios fundamentais para o funcionamento do corpo humano. Ela é responsável pela produção da tiroxina e da triiodotironina, que regulam a velocidade de todas as funções do organismo. A baixa produção desses hormônios, ou o hipotireoidismo, gera sonolência, desânimo, retenção de líquido, prisão de ventre, queda de cabelo e ganho de peso. Já o hipertireoidismo, o excesso de hormônio, provoca agitação, insônia, taquicardia e perda de peso.

Segundo especialistas, a realização de exames de sangue T3, T4 e TSH regularmente é essencial para o monitoramento e diagnóstico precoce do hipo ou do hipertiroidismo. “É a única forma de detectar a doença antes da manifestação de sintomas mais graves, que já poderão estar causando grandes prejuízos ao organismo se descobertos tardiamente”, explica o bioquímico Roberto Chaves, diretor do Laboratório DNA Center, que reforça: “É um procedimento simples, mas que, se feito periodicamente, pode evitar grandes transtornos à saúde”.

CAUSAS E TRATAMENTO

Os problemas da tireoide são facilmente confundidos com outras doenças, o que muitas vezes retarda o diagnóstico e tratamento. As principais causas do hipotireoidismo e do hipertireoidismo são as doenças autoimunes (aquelas em que o organismo indevidamente produz anticorpos contra ele mesmo). A remoção cirúrgica da tireoide ou a sua destruição por iodo radioativo também são causas comuns de hipotireoidismo.

O tratamento é feito com reposição de hormônios, no caso do hipotireoidismo, ou com drogas que inibem a produção das substâncias, no caso do hipertireoidismo.