CRIAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE ZOOTECNICA TEM APOIO DE HENRIQUE ALVES

Brasília (DF) – O deputado Henrique Eduardo Alves PMDB/RN discutiu hoje, a criação dos Conselhos Regionais e Federal de Zootecnia para fiscalizar a atuação profissional de 25 mil zootecnistas brasileiros. Presentes na audiência os diretores da Associação Brasileira de Zootecnia (ABZ). O encontro ocorreu nas dependências da Liderança do PMDB na Câmara Federal, nesta terça-feira (5), em Brasília.

O projeto da criação do CONFEZ tramita desde 2003 e, depois de emendado no Senado, retornou para a Câmara dos Deputados. O presidente da ABZ, Walter Motta Ferreira, professor de zootecnia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), disse que, desde o reconhecimento da atividade profissional, na década de 70, os zootecnistas estão vinculados aos Conselhos Regionais e Federal de Medicina Veterinária.

Os dirigentes da ABZ admitem a existência de conflito entre as duas profissões fiscalizadas pelo mesmo conselho. “Somos uma categoria com atribuições diferentes dos veterinários e defendemos interesses profissionais distintos”, argumentou o professor da UFMG. Os zootecnistas buscam o mesmo caminho seguido pelos arquitetos que, recentemente, conseguiram formalizar um conselho profissional independente do CREA que abriga engenheiros e agrônomos.

O deputado Henrique Alves reconheceu a importância do pleito e o papel dos zootecnistas para a melhoria da produção rural e produtividade animal. Em todo o Brasil atuam 25 mil profissionais formados nas 91 faculdades de zootecnia do país. “São profissionais que fazem desde a gestão do negócio até a finalização do produto. Um trabalho que vai muito além da porteira”, disse o líder do PMDB. Ele se comprometeu em lutar para acelerar a tramitação da nova lei, atualmente na Comissão de Constituição e Justiça.

No Rio Grande do Norte, além de atuarem no manejo de rebanhos e nas atividades de extensão rural, os zootecnistas trabalham em atividades que estão mudando a economia rural como: piscicultura, carcinicultura e aquicultura.